Pesquisa sobre AVC realizada em Joinville será aplicada em todo o país

Pesquisa sobre AVC realizada em Joinville será aplicada em todo o país

Uma pesquisa realizada há 20 anos em Joinville, no Norte de Santa Catarina, que busca identificar os motivos relacionados ao acidente vascular cerebral (AVC) em pacientes foi selecionada pelo Ministério da Saúde para ser aplicada em todo o país em 2014.

Segundo o MS, a partir de outubro outras regiões usarão os mesmos metódos da Universidade de Joinville (Univille) para mapear pacientes. O intuito é formar um banco de dados nacional sobre a doença. O estudo acompanha pessoas que já tiveram o derrame cerebral para ver quem são e como vivem.

Cerca de 6 mil pacientes compõem o banco de dados da universidade. Durante cinco anos após o AVC, as vítimas são questionadas sobre estilo de vida, tratamento e resultados de exames. Os familiares também têm amostras de sangue coletadas para verificação de tendências genéticas da doença.

O acompanhamento é realizado por telefone. A primeira ligação é feita em 30 dias após o derrame. Até o final do primeiro ano, os médicos retomam o questionário de 3 em 3 meses. Do primeiro para o segundo ano, são feitas duas ligações, a cada seis meses. Até o quinto ano, as ligações são anuais.

“Conseguimos identificar algumas coisas sobre os pacientes de Joinville que são relevantes. A gente tem a suspeita que a quantidade de AVC hemorrágico está caindo mais que AVC isquêmico. Isso pode significar que as pessoas talvez estejam cuidando melhor da hipertensão”, afirmou o coordenador da pesquisa Norberto Cabral.

De acordo com o coordenador, com os resultados produzidos é possível fornecer dados convincentes para fomentar políticas de saúde pública para tratar e previnir a doença. As informações também são úteis para identificar os 10% de casos que não são diagnosticados sobre os motivos do acidente vascular cerebral.

“A maior parte das causas do AVC já são conhecidas. Como o tabagismo, hipertensão e exercício físicos, ou a não realização destes. Uma pequena parte das causas do AVC são desconhecidas. Muito provavelmente tem relação com a questão familiar, são características de fundo genético. Se a pessoa souber que tem uma tendência familiar, ela pode realizar uma série de prevenções”, disse o professor Paulo Henrique de França.

Fonte: G1

Deixe uma resposta