Encontro FIBRILAÇÃO ATRIAL NA PREVENÇÃO DO AVC: o paciente em primeiro lugar

Encontro FIBRILAÇÃO ATRIAL NA PREVENÇÃO DO AVC: o paciente em primeiro lugar

Na noite do dia 28/10/2015, ocorreu o jantar de Boas Vindas, onde a representante da ABAVC pode se apresentar aos demais participantes e trocar informações sobre como funciona a ABAVC e outras entidades como a Instituto Lado a Lado pela Vida.

Dia 29/10/2015
A primeira palestra foi realizada pelo Dr. Álvaro Avezum- Médico Cardiologista Diretor da Divisão de Pesquisa do Instituto Pazzanese de Cardiologia São Paulo.
O palestrante frisou questões como que as organizações devem promover ações que consigam modificar o comportamento das pessoas no sentido de que as mesmas sejam convencidas de que precisam modificar hábitos de vida e controlar fatores de risco por uma questão de necessidade imediata de continuar vivendo e com qualidade.
Focou sua fala no programa: 25X25 da World Heart Federation, que tem como principal objetivo reduzir em 25% a mortalidade por doenças cardiovasculares, câncer, diabetes e doenças respiratórias crônicas até 2025.

image

Foi realizada troca de e-mails com Dr. Álvaro Avezum , no sentido da ABAVC ser uma parceira da World Heart Federation nas ações que tem o objetivo de redução do AVC.

A segunda apresentação foi do DR. Gabriel Freitas, médico neurologista da Universidade Federal Fluminense e representante da World Stroke Organization.
A palestra do Dr. Gabriel focou no relato das ações de duas associações brasileiras para o combate ao AVC. As entidades citadas foram a Rede Brasil AVC, apresentada como uma entidade fundada por médicos para facilitar a comunicação entre os mesmos e mais tarde abrindo espaço para pacientes, a outra entidade apresentada foi a ABAVC.
Dr. Gabriel de Freitas, apresentou nossa entidade a partir dos dados repassados pela representante da ABAVC no evento (Beatriz Rangel), frisou que a ABAVC foi uma entidade criada por pacientes com posterior abertura para médicos e demais profissionais da saúde. Apresentou nosso site com a foto do Folder “Check seu pulso”

 

A terceira palestra foi apresentada pelo Dr. Walter Reyes Caorsi, médico cardiologista uruguayo, editor chefe da Revista Uruguaya de Cardiologia, o Dr. Walter fez sua apresentação através do relato da Campanha que realizou no Uruguay com o apoio da Secretaria de Educação desse País, onde foi ensinado às crianças da quarta e quinta série do ensino fundamental a verificar seu pulso e em casa verificarem o pulso dos pais e avós.
Maiores informações a acesso ao material da Campanha “toma te el pulso” em Arrhythimia Alliance Uruguay.
Foi entregue nosso material da Campanha Check seu Pulso e outros folders da ABAVC, uma vez que essa entidade realizou Campanha semelhante a nossa, porém com alunos das escolas públicas, foi trocado contato via cartão.
Contato Dr. Walter Reyes: seef@adinet.com.uy

Durante a tarde, os trabalhos foram iniciados com a apresentação de cada um dos presentes de maneira onde cada representante pode se apresentar e expor rapidamente sobre o trabalho da entidade a qual estava representando.
Na sequência aconteceu a apresentação da Srª Alessandra Durstine, – representante da Catalyst Global Chance. Alessandra Durstine é presidente da Catalyst Consulting Group LLC, onde cria e desenvolve estratégias de advocacy inovadoras para sensibilizar, mobilizar recursos e construir capacidade para a mudança social em contextos globais de baixos recursos.
Alessandra, frisou o conceito de advocacy, que é um método sistemático para alterar processos com a finalidade de refletirem as necessidades das comunidades. A advocacy ajuda a alterar políticas, posições, programas ou práticas institucionais carregadas com a tomada de decisões relacionadas com o controle das doenças cardiovasculares, ministério da saúde, políticos, organismos internacionais, gestores de saúde e ONG`s.
Alessandra, aponta 5 etapas para criar um movimento de mudança:
Etapa 1: identificar as questões a serem mudadas
Etapa 2: desenvolver possíveis soluções
Etapa 3: fortalecer o apoio interno e externo
Etapa 4: ação propriamente dita
Etapa 5: avaliação

Um plano adequado de ação envolve:
-desenvolver e seguir um plano
-selecionar táticas cuidadosamente
-comunicar se de forma eficaz
-utilizar os meios de comunicação de forma eficaz
-envolver os experts das várias áreas
-envolver os interessados durante todo o processo
-buscar a colaborações e associações que venham a somar a base e a credibilidade da associação ou da ação

Conselhos para elaborar um conteúdo para os meios de comunicação:
-assegure se que sua história seja de interesse jornalístico
-pense visualmente e utilize imagens cativantes
-utilize citações memoráveis
-ajude os jornalistas a fazer seu trabalho disponibilizando dados numéricos e informações relevantes
-fomente as relações existentes com os meios de comunicação
-inclua elementos de interesse humano para ressaltar a voz do paciente

Selecione pacientes e sobreviventes do AVC para porta vozes diante dos meios de comunicação
-elabore uma base de dados para organizar uma lista de pacientes e sobreviventes que podem ser porta vozes da entidade diante dos meios de comunicação
-organize um arquivo com perfis detalhados desses porta vozes a fim de deixar claro com quem, quando e para que serão os porta vezes.
-Treine esses porta vezes, abasteça os mesmos com dados que eles possam divulgar em momentos convenientes

Conselhos para transmitir mensagens claras:
-respalde suas ideias com informações
-seja realista, use exemplo reais
-mostre os benefícios que podem advir dessa ação
-a chave é a repetição
-o mensageiro pode ser tão importante quanto a mensagem
-use palavras positivas
-seja sensível e conciso
-tenha uma equipe
-sua mensagem tem que conseguir ser dita em um minuto e o conteúdo deve ser apresentado em palavras sensíveis com evidências, exemplos e deve convidar a uma ação
-mais importante: conhecer para quem e quando você vai passar determinada mensagem
-a mensagem deve ter um relato humano que impacte o público, abra o coração e mente de quem estamos solicitando ajuda.
-As ONG devem pedir mais!!as ONG`s pedem muito pouco!!!

Após 3 entidades apresentaram seus relatos de caso:
A entidade Colombiana do coração, apresentou relato sobre a Ação Corazones responsables; a entidade Fundação Mexicana do Coração e a entidade Lado a Lado pela Vida, todos foram apresentados por trabalharem com prevenção primária e utilizarem se de linguagens positivas em suas ações.
Sugestões para a ABAVC para o ano de 2016, a partir da participação nesse evento:

1. Campanha Check seu Pulso em parceria com a Secretaria de Educação e Secretaria de Saúde do Município, ensinando as crianças das 5ª e 6ª séries do primeiro grau a checar o pulso e ensinar seus pais e avós, semelhante como foi feito no Uruguay;
2. Campanha para diminuir o hábito de fumar através de mensagens positivas como por exemplo “este lugar está livre da fumaça do cigarro” ; “aqui o ar é mais puro, não temos fumantes”
3. Eleger e treinar portadores de sequelas pós AVC como porta vozes das ações da associação;
4. Tentar usar sempre de linguagem positiva em suas ações exemplo: divulgar pessoas que não tiveram um AVC porque cuidam da PA em vez de mostrar pessoas que tiveram AVC porque não controlaram a PA.
5. Buscar junto a Pfizer uma assessoria de marketing para a ABAVC.

abavc-pan-6-1

Deixe uma resposta